2008/02/05

Invejo quem tem fé, mas não posso deixar de pensar que a minha religião particular, uma espécie de panteísmo urbano (devoção por pastéis de carne e boas livrarias e a crença de que há um deus, sim: o deus do oboé, que além de ser um instrumento divino é o que afina todos os outros), é a única sensata, em meio ao que não deixa de ser - se bem examinada - uma crise mundial do monoteísmo.

LUÍS FERNANDO VERÍSSIMO, BRASIL,
in Actual, Expresso nº1840, 2-2-2008

1 comment:

Maria-Francisca said...

"Todas as nossa vivências como realidade material têm a sua origem num reino invisível, para além do espaço e do tempo, um reino revelado pela ciência que consiste em energia e informação. Esta fonte invisível de tudo o que existe não é um vazio absoluto mas sim o próprio ventre da criação. Algo existe que cria e ordena essa energia. Transforma o caos do caldo quântico em estrelas, galáxias, florestas tropicais, seres humanos...
O mundo material há muito que foi anulado pelos grandes pensadores quânticos.
Após Einstein, tempo e espaço tornaram-se coisas fluidas que se misturam entre si, o que não é compatível com a tradicional visão do Universo. Na sanduíche da realidde da física surgem 3 níveis:
realidade material - o mundo dos sbjectos e dos acontecimentos
realidade quântica - zona de transição onde a energia se converte em matéria
realidade virtual - o local para além do tempo e do espaço, a origem do Universo

Tempo e espaço são conceitos que nos dão a verdade do mundo material, mas que desaparecem gradualmente quando nos aproximamos do nível quântico.

Em termos quânticos não existem acontecimentos definitivos, não existe um rio do tempo que corra do presente para o futuro. O que existe em seu lugar é uma rica matriz de possíveis resultados. Existem infinitas escolhas dentro de cada acontecimento, e nós determinamos quais os poucos seleccionados que se irão manifestar. "
Deepak Chopra